TREM-BALA: Mito ou Realidade?

Por Eduardo Odloak *

O antigo sonho de viajar num trem-bala começa a se tornar uma realidade. Ao menos é isso o que está sendo propagandeado. De acordo com o Diário Oficial da União, do dia 18 de dezembro último, a consulta pública para o edital de licitação do TAV - Trem de Alta Velocidade está lançado.

Pelo projeto inicial, o trem deverá ter estações no Rio de Janeiro (no centro da cidade e no aeroporto Santos Dumont), na cidade de Aparecida, no centro da cidade de São Paulo, no aeroporto Franco Montoro (em Guarulhos) e na cidade de Campinas (no centro e no aeroporto de Viracopos). Além disso, outras duas estações em São Paulo e Rio de Janeiro, cuja escolha ficará a critério do consórcio vencedor.

O governo diz que as obras estarão concluídas em no máximo cinco anos, ou seja, não faremos esse trajeto de trem durante a Copa do Mundo de 2014, como era esperado. E a expectativa é que a tarifa fique em torno de R$ 200, o tempo máximo da viagem entre uma capital e outra seja de 1 hora e 37 minutos e, ainda, que o consórcio seja obrigado a disponibilizar linhas diretas, sem paradas, a cada 20 minutos nos horários de pico, durante o dia.

Especialistas europeus admitem que o impacto ambiental desse tipo de transporte é muito maior que o sistema tradicional e, geralmente, existe um período de quase cinco anos apenas para estudar o grande impacto ambiental e sua devida compensação. No caso do trem-bala está sendo feito "a toque de caixa" se observar que o traçado proposto não respeita as áreas de preservação ambiental, onde só pelo trecho em São José dos Campos já podemos ver que haverá longas batalhas.

Lembremos que se trata de um trem de altíssima velocidade - mais de 300km/h - exigindo curvas extensas e quase inexistentes. Será como uma flecha ligando Campinas - São Paulo - Rio de Janeiro. No total, o percurso do trem-bala terá aproximadamente 490 km de extensão, 300 km deste circuito ocorrerá no nível do solo, exigindo muralhas de proteção completamente inacessíveis para impedir qualquer tipo de travessia no local e, desta forma, criando longas divisas físicas extremamente impactantes, isolando partes de uma mesma cidade, por exemplo.

Outros 90 km serão por túneis e mais de 100 km em pontes gigantescas, para garantir a retificação do traçado.
A obra está prevista para custar mais de R$ 35 bilhões, mas vários técnicos avaliam que custará muito mais devido à precariedade dos estudos de impacto e desapropriações. 11% do custo está abaixo das experiências que existem em outras grandes obras.

Considerando o arrojado traçado, incluindo túneis sob canais e cortando regiões serranas, 70% do custo deve se concentrar entre Rio de Janeiro e São José dos Campos, mas 70% da demanda esperada concentra-se no trecho Campinas - São Paulo - São José dos Campos.

É importante que o estudo seja bem aprofundado para que essa obra possa realmente contribuir para o desenvolvimento do país e não somente para lançar sua pedra fundamental e depois se mostrar inviável. O trem-bala é um projeto importante e não pode ser tratado como no passado, quando se criou o "fura-fila", em São Paulo.

(*) Eduardo Odloak - foi Subprefeito da Mooca, durante a gestão do prefeito José Serra.

Comentários

Roberta disse…
De fato esta obra é muito importante. Mas pelo jeito que as coisas estao sendo conduzidas, confesso que tenho medo. No vale do Paraíba diversos agricultores terão suas áreas cortadas.
Não há nenhum estudo de impacto de vizinhança da obra e nem de serviços associados. Por exemplo, o trem parará em São Paulo e não está previsto nenhum serviço de apoio ou estruturas para serviços de apoio. A licitação é do "alinhamento" e não do traçado. O responsável pela obra fará a opção do traçado, da maneira que achar mais conveniente, geralmente, pelo lado mais econômico.
Digo isto pois tive a oportunidade de conhecer o projeto. O objetivo é terminar antes da Copa. Só não sei se a pressa vai ajudar.
Trata-se de uma obra importantíssima! Mas os detalhes farão toda a diferença no sucesso desta obra.
Anônimo disse…
Tomara que o projeto tenha solução de continuidade e que seja um sucesso.
Afinal, vai facilitar em muito a locomoção São Paulo-Rio.
Em tempo, esta deve ser a CENTÉSIMA matéria postada no COISAS DE SAMPA.

Bjks.
Eulália
Dilze Lima disse…
Roberta,

Agradeço o comentário e peço-lhe que se tiver mais informações importantes, compartilhe conosco para que o debate seja ampliado e aprofundado.


Eulália,

Realmente, esta foi a centésima postagem do Blog. Nem imaginei que chegasse a tanto.
Continue a participar, mandando comentários e sugestões de texto.

Obrigada a ambas.

Postagens mais visitadas deste blog

Penha de França: o bairro mais antigo

Cidade Compacta - o que é isso?

SP 2040, Visão e Plano de Longo Prazo para Sampa